terça-feira

da costela de Audrey Hepburn

Quem notar alguma semelhança entre a personagem desse gibi italiano e Audrey Hepburn estará na trilha certa. É Julia Kendall, uma criminóloga criada pelo roteirista Giancarlo Berardi (um dos autores do cult Ken Parker) de uma costela da atriz americana. Lançada também no Brasil, a série é muito bem construída e cada exemplar traz uma pequena obra-prima em quadrinhos. O gibi é todo cinematográfico: sua empregada é inspirada em Woopie Goldberg, um dos policiais é a cara do John Goodman. Os roteiros são muito bem elaborados, com tramas que sempre terminam com uma revelação surpreendente, com muitas reviravoltas. O assassino nunca é o mordomo. Uma mistura de Sherlok Holmes com Agatha Cristie e Alfred Hitchcock.

Estava planejando falar de Julia e consegui um bom álibi: o filme "Infâmia", de William Wyler", com Audrey Hepburn, Shirley Maclaine e James Gardner, lançado neste mês de novembro em DVD. É a adaptação de uma peça de Lilliam Hellman, sobre os efeitos de uma mentira contada por uma criança má que destrói a vida de duas professoras de uma escola para meninas, numa cidade provinciana dos Estados Unidos e, em efeito cascata, atinge outras pessoas também de forma irreversível.

Audrey e Shirley estão ótimas no papel das duas jovens acusadas de serem amantes por uma criança geniosa que não gosta de ser contrariada e faz qualquer coisa para ser o centro das atenções. Quem se lembrar de algo parecido ocorrido em São Paulo, também estará na pista certa. Há alguns anos, vários professores e o proprietário da Escola Base foram presos e injustamente acusados de pedofilia. Antes da verdade ser esclarecida, foram massacrados pela imprensa. Até hoje se fala nesse caso e os jornais, revistas e emissoras de TV que participaram do linchamento posam de inocentes, como a menina mentirosa que sustentou a mentira até nos tribunais.

7 comentários:

  1. Grande dica! Adoro conto policial e com esses dois ingredientes, bom desenho, e "atores" conhecidos, o prazer é triplo!

    ResponderExcluir
  2. Eduardo, esse fumetti é genial. Sai em todas as bancas do Brasil. A edição brasileira já deve estar no número 50.

    abração

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Pode me incluir na lista dos seus leitores que não entendem bolacha de quadrinhos.
    Meu filho, Leon, é louco pelo Tin Tin, de ganhar coleção antiga da namorada no aniversário e tudo. Começou vendo na tv e acabou tomando gosto.
    Eu não peguei esse hábito na infância e adolescência e por mais que tente, não tenho paciência para ler, como também não tenho para ver filmes Star Wars e de ficção científica.
    Mas eu tenho um bom coração.

    ResponderExcluir
  5. Mas é assim mesmo Ester. Quadrinhos, não sei por qual razão, é uma mania mais de meninos do que de meninas. Elas não sabem o que estão perdendo....

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Luiz,

    eu amo a Audrey Hepburn!
    Foi uma pessoa ímpar neste mundo de meu Deus!!!

    Agradeço essa dica!

    Grande beijo=*

    ResponderExcluir
  7. A Audrey era muito lindinha.... Em "Bonequinha de luxo", então, é covardia....

    ResponderExcluir

Dê seu pitaco